Melanoma - Clínica Cancian - Porto Alegre

Fatores de Risco do Câncer de Pele Melanoma

O câncer de pele do tipo melanoma acomete mais pessoas brancas (com pele, cabelos e olhos claros), que tenham dificuldade em ficar bronzeadas (se queimam facilmente no sol), com várias pintas pelo corpo e que tenham história familiar de melanoma.

Prevenção

Nem sempre o melanoma vai se originar de um sinal de pele pré-existente, ele pode começar como melanoma desde o início, sendo portanto os cuidados com a pele muito importantes. Para prevenção desse tipo de câncer deve-se evitar a exposição solar desde cedo e abusar dos cremes com proteção solar! Em geral as queimaduras solares que sofremos até a adolescência são os fatores de maior impacto em relação ao dano na pele. Pessoas que tem várias pintinhas pelo corpo devem ser examinadas regularmente pelo dermatologista. Esse profissional pode detectar sinais com caracterísicas suspeitas e que devem ser submetidas à biópsia. Também é válido o auto-exame: conheça os seus sinais e preste atenção se alguma alteração ocorrer; não esqueça de checar as regiões das solas dos pés, entre os dedos e dobrinhas de pele.

Prevenção

Sinais de pele que mudaram seu aspecto (cresceram, mudaram de cor, têm sangramento ou coceira…) devem chamar atenção. Outra regra fácil para avaliar um sinal que mereça atenção especial é o ABCDEF:

– A (assimetria): passando uma linha no meio do sinal, se percebe que uma metade é diferente da outra.

– B (bordas irregulares): o contorno do sinal não é bem definido.

– C (cor diferente): presença de mais de uma cor no mesmo sinal.

– D (diâmetro): maior do que 6mm.

– E (evolução): sinais que mudaram sua característica com o tempo.

– F (feio): aquele sinal de pele que é diferente em relação aos outros que a pessoa possui, é feio.

Tratamento

O tratamento começa pela suspeita e realização de uma biópsia. É importante que essa biópsia seja realizada de maneira a ser retirada apenas a lesão e nada além disso. Após confirmado o diagnóstico de Melanoma Maligno pela biópsia, o paciente deve ser encaminhado para complementação do procedimento por equipe capacitada, podendo envolver mais de uma especialidade (cirurgião oncológico, cirurgião plástico, dermatologista). Pode ser necessária apenas a realização de uma ampliação de margens, com a retirada de uma margem de pele sadia ao redor da cicatriz como segurança; até a realização da biópsia do linfonodo sentinela que é a primeira estação onde o melanoma seria capturado pelo nosso sistema de defesa caso haja disseminação da doença. Existem ainda outros procedimentos que podem ser necessários, sendo que o tratamento sempre deve ser individualizado e realizado por um especialista.